A importância socioeconômica do tabaco para a região Sul do Brasil é indiscutível. Presente em 556 municípios do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, na safra 2017/2018 o tabaco foi cultivado em 289 mil hectares, por 150 mil produtores integrados. Um universo de aproximadamente 600 mil pessoas participa desse ciclo produtivo no meio rural, somando uma receita anual bruta de R$6,28 bilhões segundo a Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra). A produção alcançou 632 mil toneladas, sendo que deste volume 50% foram produzidos no Rio Grande do Sul, 28% em Santa Catarina e 22% no Paraná, gerando também 40 mil empregos diretos nas indústrias de beneficiamento instaladas no País.

Com esses números o Brasil se mantém em destaque no cenário mundial, ocupando as posições de 2º maior produtor mundial e, desde 1993, de maior exportador de tabaco do mundo. Do total, mais de 85% destina-se ao mercado internacional. Clientes de todo o mundo – 100 países – são abastecidos com o tabaco brasileiro. Em 2018, as exportações do setor alcançaram 457 mil toneladas e divisas de US$ 1,99 bilhão/FOB*.