13 | JAN . 2021

Releases

Mesmo com pandemia, exportações de tabaco têm bom desempenho

Janeiro 2021 – O Brasil fechou 2020 com 1 bilhão 638 milhões de dólares e 514.287 toneladas de tabaco exportadas, segundo dados do Ministério da Economia. Os números acompanham a expectativa apontada pela pesquisa da Deloitte Consultores, de redução de -2 a -6% no volume e de -15% a -20% em dólares, em comparação com 2019, quando foram embarcados US$ 2,14 bilhões e 549 mil toneladas. Segundo o presidente do Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SindiTabaco), Iro Schünke, a redução de 6,31% no volume e de 23,4% em dólares era esperada. “A redução era esperada uma vez que em 2019 tivemos um incremento de 7,6% em dólares e de 19% no volume de tabaco exportado em relação ao ano anterior (2018), devido, principalmente, a embarques postergados por razões logísticas. Se considerarmos os últimos cinco anos, o volume embarcado em 2020, ficou um pouco acima da média histórica, de 494 mil toneladas. Já em relação aos dólares exportados, a qualidade do produto e a valorização do dólar refletiram na redução do valor exportado”, avalia o executivo. O principal mercado brasileiro continua sendo a União Europeia, destino de 41% do tabaco exportado, seguida pelo Extremo Oriente (24%), África/Oriente Médio (11%), América do Norte (9%), América Latina (9%) e Leste Europeu (6%). Entre os países, a Bélgica (US$ 414 milhões) continua sendo o principal importador do produto, seguido da China (US$ 153 milhões) e Estados Unidos (US$ 125 milhões). Na sequência da lista dos principais clientes estão a Indonésia (US$ 98 milhões), Emirados Árabes Unidos (US$ 74 milhões), Turquia (US$ 55 milhões) e Rússia (US$ 54 milhões). “Mesmo diante de um ano atípico, com as adversidades e adaptações logísticas necessárias diante da pandemia, o setor do tabaco obteve um bom desempenho nas exportações. A manutenção das atividades, seguindo todas as recomendações das autoridades sanitárias, foi uma decisão acertada e contribuiu para o alcance destes resultados”, comenta Schünke. SAIBA MAIS – O tabaco representou 0,8% do total de exportações brasileiras e 4,1% dos embarques da Região Sul de 2020. No Rio Grande do Sul, estado que concentra mais da metade da produção brasileira, o produto foi responsável por 9,5% do total das exportações. Nas exportações do agronegócio brasileiro, o tabaco ocupa a oitava posição. Na Região Sul, o tabaco foi exportado em sua grande maioria pelo Porto de Rio Grande, no Rio Grande do Sul (83,7%), seguido de Santa Catarina (16%) e Paraná (0,3%). Do total exportado em dólares, 97,4% é oriundo da Região Sul. Foto: Junio Nunes Contato com a imprensa: MSLGROUP Andreoli Cibele Gandolpho - cibele.gandolpho@mslgroup.com - (11) 3169-9331 / (11) 96477-2701 Eliana Stülp Kroth - eliana.stulp@mslgroup.com - (51) 3713-1777 / (51) 9708-5539 Thais Thomaz - thais.thomaz@mslgroup.com - (11) 3169-9373 www.mslgroupandreoli.com.br

4 | DEZ . 2020

Releases

Roubo de cargas de tabaco cru diminui em 2020

Dezembro 2020 – Representantes da Comissão de Segurança do SindiTabaco apresentaram a situação do roubo de cargas de tabaco em 2020, comparativamente aos anos anteriores. O encontro, realizado na sede da entidade nesta sexta-feira, 04 de dezembro, contou com a participação do delegado Regional de Polícia, Luciano Fernandes Menezes; o comandante da 2ª Companhia Rodoviária de Santa Cruz do Sul, capitão Silvio Erasmo Souza da Silva; o major Cristiano Marconatto, chefe da Inteligência do Comando Regional de Polícia Ostensiva do Vale do Rio Pardo; e o Capitão Rafael Carvalho Menezes, chefe da Inteligência do 23º BPM. Segundo a comissão, o resultado foi extremamente positivo. Enquanto em 2019, foram 26 eventos e 11 recuperações, na safra de 2020 foram registrados apenas nove roubos, sendo quatro deles recuperados, o que representa uma redução de 65% das ocorrências nos três estados do Sul. No Rio Grande do Sul, o índice é ainda mais alto: 85% com apenas dois eventos, ambas as cargas recuperadas. Em Santa Catarina houve redução de 50% e no Paraná de 45%. O presidente do SindiTabaco, Iro Schünke, agradeceu o trabalho realizado. “A participação dos órgãos de segurança foi de fundamental importância para chegarmos a esses resultados. A gestão desses indicadores e a parceria para prevenção de ocorrências é algo que pretendemos manter para a safra 2021”, comentou o executivo. Estratégias adotadas 

  • Engajamento com as instituições de Segurança Pública;
  • Elaboração e apresentação dos indicadores de roubo de carga de 2017 – 2019;
  • Criação de Comitê de Segurança – SindiTabaco;
  • Plano para comunicação imediata dos eventos de 2020 entre as associadas;
  • Padronização entre as associadas, das regras e boas práticas de segurança para o Transporte de Tabaco;
  • Desenvolvimento e distribuição do Guia de Segurança para os Transportadores;
  • Mapeamento das Zonas Críticas para ser entregue às Instituições de Segurança Pública;
  • Divulgação de indicadores e ações adotadas.
Para a safra 2021, foi sugerido pelo grupo a utilização de aplicativos que permitam à empresa acompanhar o transportador em tempo real e o repasse de informações de inteligência para equipes de outras regiões estratégicas para o setor. Recomendações para prevenção de ocorrências  As medidas de prevenção de ocorrências são tema de folder que será distribuído aos transportadores de tabaco e de insumos agrícolas do Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina. Conheça as recomendações:
  • Assegurar que o veículo esteja devidamente abastecido para evitar paradas não programadas;
  • Procurar usar postos 24 horas com estacionamento próprio, vigilância e sistema de câmeras de segurança para as paradas;
  • Evitar a exposição da carga, deixando-a em local protegido e seguro;
  • Sempre que possível deixar o veículo em local com boa iluminação;
  • Manter disponíveis e acessíveis os contatos de emergência – Brigada Militar – Polícia Civil e SAMU;
  • Evitar viajar à noite e não desviar da rota;
  • Não dar carona a pessoas alheias à operação de transporte de tabaco, inclusive para familiares ou conhecidos;
  • Não repassar informações a terceiros sobre a carga, rotas e sobre os sistemas de segurança do veículo;
  • Sempre que possível viajar em comboio com contato visual permanente, dificultando a ação dos assaltantes.
Se o motorista notar que está sendo seguido ou qualquer outra situação suspeita, ele deve procurar o mais rápido possível parar o veículo em um local movimentado e acionar a polícia. “Recomendamos altamente não reagir a qualquer tipo de abordagem dos assaltantes, evitando movimentos bruscos ou gestos que possam assustar ou irritar os assaltantes”, destaca ainda Schünke, presidente do SindiTabaco. Se necessário, o transportador deve acionar os contatos de emergência: 190 – Brigada Militar; 191 – Policia Rodoviária Federal; 192 – SAMU; 193 – Bombeiros; 197 – Polícia Civil; 198 – Polícia Rodoviária Estadual. Foto: Divulgação Contato com a imprensa: MSLGROUP Andreoli Cibele Gandolpho -
cibele.gandolpho@mslgroup.com - (11) 3169-9331 / (11) 96477-2701 Eliana Stülp Kroth - eliana.stulp@mslgroup.com - (51) 3713-1777 / (51) 9708-5539 Thais Thomaz - thais.thomaz@mslgroup.com - (11) 3169-9373 www.mslgroupandreoli.com.br

1 | DEZ . 2020

Releases

Programa de aprendizagem é homenageado pelo Instituto Innovare

Dezembro 2020 – O Programa de Aprendizagem Profissional Rural foi homenageado na 17ª edição do Prêmio Innovare. Em 2020, 12 práticas foram selecionadas em um universo de 646 inscritos de todo o país e disputaram a final em seis categorias. O resultado foi divulgado em cerimônia virtual, realizada nesta terça-feira, 01 de dezembro, com a participação de ministros do Superior Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, Cármen Lúcia, Dias Toffoli, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux e Rosa Maria Weber, com a apresentação do jornalista Heraldo Pereira. Coube ao presidente do Conselho Superior do Innovare, ministro Ayres Britto, divulgar o resultado da Categoria Justiça e Cidadania, ficando o Instituto Crescer Legal com o status de prática homenageada, tratando da “Aprendizagem profissional como alternativa ao combate do trabalho infantil no meio rural”. Das 189 práticas de todo país inscritas na categoria, duas foram selecionadas como finalistas, sendo uma delas a do programa do Instituto, em que aprendizes são contratados e remunerados de acordo com a Lei da Aprendizagem pelas empresas associadas, porém não realizam nenhuma atividade nestas empresas, mas, sim, no âmbito do curso que alia teoria à prática. “O reconhecimento desse porte, por si só, é um prêmio para o Instituto Crescer Legal, e uma grande honraria. Saber que estamos contribuindo com o jovem do campo e com o futuro do agronegócio do País é motivo de muito orgulho. A indicação é o reconhecimento em nível nacional ao trabalho desenvolvido por toda a equipe do Instituto Crescer Legal, com envolvimento dos parceiros e das empresas de tabaco que apoiam a iniciativa, e demonstra que estamos no caminho certo para atingir os propósitos de ofertar oportunidades aos jovens e, ao mesmo tempo, combater o trabalho infantil”, comenta o diretor-presidente da entidade, Iro Schünke. Conheça as práticas escolhidas como finalistas do Prêmio Innovare 2020 SOBRE O INSTITUTO – Iniciativa do Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SindiTabaco) e suas empresas associadas, o Instituto Crescer Legal foi criado em 23 de abril de 2015 com o apoio e adesão de pessoas envolvidas com a educação e com o combate ao trabalho infantil, em especial em áreas com plantio de tabaco, na Região Sul do País. Em cinco anos, o Instituto já alcançou a marca de 333 jovens formados em seu curso de Empreendedorismo e Gestão Rural. Em 2020, 141 jovens aprendizes participam do Programa de Aprendizagem Profissional Rural nos municípios de Boqueirão do Leão, Canguçu, Cerro Branco, Herveiras, Passo do Sobrado, Santa Cruz do Sul e Sinimbu. O começo do curso de empreendedorismo e gestão rural em Canguçu foi o marco da expansão geográfica na atuação do Programa de Aprendizagem. Além dos municípios na região central gaúcha, o Instituto passou a beneficiar também jovens do Sul do RS. O novo município atendido fica 230 quilômetros distante da sede do Instituto, em Santa Cruz do Sul. Saiba mais em www.crescerlegal.com.br SOBRE O PRÊMIO – Criado em 2004, o Prêmio Innovare vem trabalhando para identificar e colocar em evidência iniciativas desenvolvidas voluntariamente que trazem soluções inovadoras, ampliam a proximidade entre instituições jurídicas e a população e contribuem para o aprimoramento da Justiça brasileira. Ao todo, já foram premiadas 226 práticas, entre mais de 7 mil trabalhos, em diferentes áreas da atuação jurídica. Todas as iniciativas selecionadas são incluídas no Banco de Práticas do Innovare. O Prêmio conta com o apoio de instituições parceiras que colaboram para a credibilidade e prestígio da premiação. Entre elas estão a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp), Associação Nacional das Defensoras e Defensores Públicos (Anadep),  Associação dos Juízes Federais (Ajufe), Conselho Federal da OAB, Associação Nacional dos Procuradores de República (ANPR), Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), conselho Nacional de Justiça (CNJ) e a Secretaria Nacional de Justiça do Ministério da Justiça e Segurança Pública, com o apoio do Grupo Globo. Contato com a imprensa: MSLGROUP Andreoli Cibele Gandolpho - cibele.gandolpho@mslgroup.com - (11) 3169-9331 / (11) 96477-2701 Eliana Stülp Kroth - eliana.stulp@mslgroup.com - (51) 3713-1777 / (51) 9708-5539 Thais Thomaz - thais.thomaz@mslgroup.com - (11) 3169-9373 www.mslgroupandreoli.com.br

24 | NOV . 2020

Releases

Resultados de inovador método de aprendizagem profissional rural são apresentados em evento mundial

Novembro 2020 – O Programa de Aprendizagem Profissional Rural do Instituto Crescer Legal foi um dos assuntos tratados durante a Reunião Anual da ITGA (International Tobacco Grower's Association), realizada nesta terça-feira, 24 de novembro, de forma virtual. A gerente do Instituto, Nádia Fengler Solf, apresentou aos participantes, os resultados do inovador método que transforma projetos de vida dos jovens rurais no Sul do Brasil ao mesmo tempo em que combate o trabalho infantil. “O Instituto é resultado do esforço do setor no combate ao trabalho infantil e tem como o objetivo de oferecer alternativas, especialmente para filhos de produtores de tabaco, bem como ferramentas para implementar a sucessão rural se esse for o desejo do jovem. Nesse sentido, os adolescentes envolvidos, que tem entre 14 e 17 anos, são contratados como jovens aprendizes e, com este formato, recebem uma remuneração mensal sem realizar atividades na indústria e no campo, mas participam de um curso de formação sobre gestão rural e empreendedorismo no contraturno escolar”, relatou Nádia. Segundo Nádia, o Instituto já envolveu aproximadamente 500 jovens em suas atividades desde sua fundação, em 2015. “O índice de conclusão do curso no último ano foi de 94% e é um inicador que nos anima, uma vez que é muito superior ao índice brasileiro, estimado em 68%, e de alguns países europeus, como a Alemanha, que tem o índice de 75%”, concluiu. Para Abiel Kalima Banda, presidente da ITGA, os produtores continuam engajados em desenvolver uma produção sustentável. “O compromisso deve ser firme e aceito por todos os envolvidos na cadeia de produção. A solução precisa ser conjunta e viável. Além disso, não podemos adiar mais a discussão sobre diversificação e alternativas”, falou. Robin Lowe, ministro da Agricultura do Malawi, também falou com preocupação sobre o futuro do setor. “No Malawi a produção de tabaco contribui com até 60% das divisas de todo o país e tratar do futuro do setor é iminente para evitar efeitos econômicos drásticos não apenas no Malawi, mas em todos os países onde a cadeia produtiva está presente”, apontou. “Onde o tabaco continua sendo plantado, ele certamente é importante para a economia. No Malawi é imprescindível. No Brasil, ele é muito importante para os estados do Sul. Assim, nosso papel é defender os produtores, mas também o mercado uma vez que os produtores precisam vender o seu produto. A regulação é o que tem impactado nosso negócio e precisamos estar atentos. Atualmente, o tabaco está dependente das decisões da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco”, completou Antonio Abrunhosa, diretor executivo da ITGA. As perspectivas do setor em tempos de pandemia e o panorama do mercado mundial foram temas de apresentações de Ivan Genov, especialista da indústria do tabaco, e Shane Macguill, chefe de pesquisas sobre tabaco da Euromonitor International. Segundo os dados apresentados, o Brasil continua no topo das exportações mundiais de tabaco e com grande distância comparativamente– mais que o dobro do próximos países exportadores. Com assuntos variados, a Reunião Anual da ITGA reuniu porta-vozes do setor do tabaco de diferentes países. O vice-presidente da Universal Leaf Tabacos, Lea Scott, por exemplo, falou sobre a diversificação da propridade como uma importante ferrramente para a sustentabilidade. “A produção agrícola é um negócio e como todo negócio precisa gerar lucro. A diversificação da propriedade pode ser muito benéfica, não apenas como uma nova fonte de renda, mas também como um modelo mais seguro diante das intempéries climáticas e dos benefícios ao meio ambiente, como é o caso da proteção do solo e da água. Mas o produtor precisa ter acesso ao mercado e ter um plano de escoamento dessa produção complementar”, comentou Scott. Gary Foote, da Alliance One, falou sobre agentes de proteção de cultivos e como o uso apropriado pode aumentar a produtividade e evitar prejuízos. Tratou das orientações relacionadas à saúde e segurança do produtor. Vuk Pribic, diretor da JTI, falou sobre uma série de novas regulações que devem ser implementadas em breve na comunidade europeia. “Em alguns países, já há discussões sobre uma regulação obrigatória, ou seja, qualquer empresa que exporte seu produto precisará provar que implementou ações que promovam o respeito das empresas pelos direitos humanos e do meio ambiente e que possui métricas de avaliação destes resultados. A expectativa é de um primeiro rascunho desta legislação entre em vigor já em 2021, quando todas as empresas que atuam na União Europeia terão que minimamente reportar o que conduzem nesse sentido”, disse. Ainda segundo ele, a indústria vem trabalhando, há muitos anos, sobre a produção sustentável de forma integrada com os produtores. “São muitos programas e iniciativas nesse sentido e o que temos percebido é que a as regulações em torno do meio ambiente e dos direitos humanos têm crescido em diversos países e afeta não somente o tabaco, mas todas as cadeias produtivas. Também sabemos que os produtores tem aumentado sua consicentização sobre temas como trabalho infantil e respeito ao meio ambiente, mas precisamos estar juntos com os governos e com outros elos da nossa cadeia produtiva”, frisou. Carlos Palma, gerente da BAT, falou sobre o centenário sistema de produção integrada introduzido pela empresa e com ele pode auxiliar na produção sustentável. “Temos uma longa história de produção integrada e de relacionamento com os produtores de tabaco e isso nos auxilia a levar as melhores práticas agrícolas ao campo”, comentou. Fotos ICL: Junio Nunes Contato com a imprensa: MSLGROUP Andreoli Cibele Gandolpho - cibele.gandolpho@mslgroup.com - (11) 3169-9331 / (11) 96477-2701 Eliana Stülp Kroth - eliana.stulp@mslgroup.com - (51) 3713-1777 / (51) 9708-5539 Thais Thomaz - thais.thomaz@mslgroup.com - (11) 3169-9373 www.mslgroupandreoli.com.br

12 | NOV . 2020

Releases

SindiTabaco participará de edição online do ENAI

Novembro 2020 – O Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SindiTabaco) estará representado na edição 2020 do Encontro Nacional da Indústria (ENAI). Realizado anualmente pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), neste ano a programação será 100% online em razão da pandemia. O presidente do SindiTabaco, Iro Schünke, participa da agenda nos dias 17 e 18 de novembro. Schünke, que também é diretor da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS), participa das edições do ENAI desde 2007. “Este é, sem dúvidas, um dos grandes eventos para o setor industrial do país, quando se discutem tendências e desafios, mas também caminhos e soluções que possam ampliar a competitividade da indústria como um todo”, avalia Schünke. Com o tema “Por uma indústria que impulsione o Brasil”, o ENAI 2020 reunirá investidores, especialistas, líderes de organizações empresariais e executivos de empresas de todos os segmentos industriais das diversas regiões do país para discutir temas como a reforma tributária, a importância da inserção internacional e de uma nova estratégia de política industrial, a sustentabilidade, a busca da eficiência do Estado e a jornada rumo à indústria 4.0. De acordo com a organização, a programação está dividida em duas sessões: 8 painéis e 12 palestras. Os painéis serão realizados no estúdio montado na sede da CNI, em Brasília, e transmitidos on-line. Já nas sessões de palestras, no estilo "short talks", on-line e ao vivo, 26 debatedores apresentarão tendências e casos de sucesso nas indústrias brasileiras. Considerado um dos grandes nomes da edição, o escritor Gerd Leonhard, influenciador que se concentra no futuro da humanidade e da tecnologia, fará a palestra magna do evento no dia 17 de novembro, às 15 horas, com o tema “Mudança exponencial – A transformação total dos negócios e da sociedade”. Saiba mais em: http://www.portaldaindustria.com.br/cni/canais/enai Foto: Junio Nunes Contato com a imprensa: MSLGROUP Andreoli Cibele Gandolpho - cibele.gandolpho@mslgroup.com - (11) 3169-9331 / (11) 96477-2701 Eliana Stülp Kroth - eliana.stulp@mslgroup.com - (51) 3713-1777 / (51) 9708-5539 Thais Thomaz - thais.thomaz@mslgroup.com - (11) 3169-9373 www.mslgroupandreoli.com.br

5 | NOV . 2020

Releases

Programa itinerante percorre 112 municípios gaúchos e catarinenses nos próximos meses

Novembro 2020 – A coleta itinerante do Programa de Recebimento de Embalagens Vazias de Agrotóxicos encerrou a agenda no Sul do Rio Grande do Sul e, após uma breve pausa, reinicia as atividades no noroeste gaúcho. Entre 9 e 26 de novembro, produtores de tabaco de 71 municípios da região poderão realizar adevolução das embalagens tríplice lavadas com comodidade e segurança, em pontos de coleta localizados próximos às propriedades rurais. E a partir do dia 30 de novembro, o programa percorre o litoral gaúcho e catarinense, com programação em 41 municípios até o dia 15 de janeiro de 2021.

NOROESTE RS  9 a 26 de novembro 2020  Municípios: Alecrim, Alegria, Alpestre, Ametista do Sul, Áurea, Barão de Cotegipe, Barra do Rio Azul, Benjamim Constant, Boa Vista das Missões, Boa Vista do Buricá, Bom Progresso, Braga, Caiçara, Carlos Gomes, Centenário, Cerro Grande, Constantina, Crissiumal, Derrubadas, Dois Irmãos das Missões, Doutor Maurício Cardoso, Entre Rios do Sul, Erval Grande, Erval Seco, Esperança do Sul, Frederico Westphalen, Gaurama, Getúlio Vargas, Horizontina, Humaitá, Independência, Iraí, Itatiba do Sul, Jaboticaba, Liberato Salzano, Marcelino Ramos, Mariano Moro, Miraguaí, Nonoai, Novo Machado, Novo Tiradentes, Paim Filho, Palmitinho, Pinhal, Pinheirinho do Vale, Planalto, Porto Lucena, Porto Mauá, Porto Vera Cruz, Rio dos Índios, Rodeio Bonito, Rondinha, Sananduva, São João da Urtiga, São Paulo das Missões, Seberi, Sede Nova, Sertão, Severiano de Almeida, Taquaruçu do Sul, Tenente Portela, Tiradentes do Sul, Três Arroios, Três de Maio, Três Passos, Trindade do Sul, Tucunduva, Tuparendi, Viadutos, Vicente Dutra e Vista Alegre. Confira o roteiro detalhado
LITORAL   30 de novembro 2020 a 15 de janeiro 2021  Municípios: Anitápolis, Araranguá, Armazém, Balneário Gaivota, Braço do Norte, Caraá, Cocal do Sul, Criciúma, Ermo, Forquilhinha, Grão Pará, Içara, Imaruí, Jacinto Machado, Jaguaruna, Lauro Müller, Mampituba, Maquiné, Maracajá, Meleiro, Morro da Fumaça, Morro Grande, Nova Veneza, Orleans, Pedras Grandes, Praia Grande, Rio Fortuna, Santa Rosa de Lima, Santa Rosa do Sul, Santo Antônio da Patrulha, São Bonifácio, São João do Sul, São Ludgero, São Martinho, Sombrio, Terra de Areia, Timbé do Sul, Treze de Maio, Tubarão, Turvo e Urussanga. Confira o roteiro detalhado
No momento da entrega, os produtores recebem comprovantes para apresentação aos órgãos ambientais, atendendo aos preceitos estabelecidos decreto 4.074/2002. "Além do cumprimento da legislação, o programa é um investimento das empresas associadas ao SindiTabaco em direção à preservação da saúde e segurança dos produtores e à proteção ambiental, objetivos prioritários do programa", afirma o coordenador Carlos Sehn. Atualmente, 117 mil produtores de tabaco do Rio Grande do Sul e Santa Catarina são atendidos pela coleta itinerante que percorre 411 municípios e cerca de 1,8 mil pontos de recebimento no meio rural nos dois Estados. No Paraná, iniciativas semelhantes realizadas pelas centrais locais são apoiadas pelas empresas associadas ao SindiTabaco. 20 ANOS – Pioneiro, o Programa de Recebimento de Embalagens Vazias de Agrotóxicos foi criado no ano 2000, antecedendo a regulamentação da legislação sobre o tema. Desenvolvido de forma itinerante pelo Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SindiTabaco) e empresas associadas, com o apoio da Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra), atualmente, o programa percorre dez roteiros distintos que abrangem todas as regiões produtoras de tabaco gaúchas e catarinenses. Em 20 anos de atuação já foram mais de 17 milhões de embalagens corretamente destinadas. Conheça os resultados do programa Contato com a imprensa: MSLGROUP Andreoli Cibele Gandolpho - cibele.gandolpho@mslgroup.com - (11) 3169-9331 / (11) 96477-2701 Eliana Stülp Kroth - eliana.stulp@mslgroup.com - (51) 3713-1777 / (51) 9708-5539 Thais Thomaz - thais.thomaz@mslgroup.com - (11) 3169-9373 www.mslgroupandreoli.com.br

29 | OUT . 2020

Releases

Reunião da Câmara Setorial aponta desafios do setor do tabaco

Outubro 2020 – Um dia após a comemoração do dia do produtor de tabaco, representantes da cadeia produtiva participaram da 62ª Reunião Ordinária da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Tabaco. Romeu Schneider, presidente da Câmara, saudou os participantes e fez uma homenagem especial aos trabalhadores rurais em sua abertura. O evento, realizado na tarde desta quinta-feira, 29 de outubro, por videoconferência, teve na pauta temas sensíveis ao setor, como o avanço do mercado ilegal e a reforma tributária. Já o presidente do SindiTabaco, Iro Schünke, comentou as perspectivas das exportações de tabaco em 2020. Pesquisa realizada pela Deloitte, a pedido do SindiTabaco, aponta que os embarques de 2020 devem apresentar queda de -2,1% a -6% no volume e de -15,1% a -20% em dólares em relação a 2019, quando foram exportadas 549 mil toneladas, totalizando US$ 2,14 bilhões. Ainda assim, temos a expectativa de manter uma boa posição no ranking brasileiro do agronegócio e também a posição como líder mundial de exportações de tabaco há quase 30 anos, mesmo diante de uma pandemia e todos os seus desdobramentos sociais e econômicos”, disse Schünke.  De janeiro a setembro de 2020, o setor exportou 17% menos em volume e 32% menos em dólares na comparação com o mesmo período em 2019. “A comparação mês a mês ou, até mesmo, trimestre a trimestre pode criar grandes distorções. Por exemplo, no primeiro trimestre deste ano tivemos uma grande diferença em comparação com o mesmo período do ano anterior por uma razão logística do cliente. Nesse sentido, nossa expectativa é de que a pesquisa se confirme. Vamos, claro, depender das condições de logística, como por exemplo, a disponibilidade de navios e de containers”, lembrou o executivo do SindiTabaco. Schünke repassou também dados da Euromonitor e ITGA que apontam que 5,260 trilhões de cigarros foram consumidos em 2019, movimentando um mercado de 700 bilhões de dólares. Os cigarros representam 87% do volume produzido pelas indústrias, seguido por charutos e cigarrilhas. O presidente do SindiTabaco explanou também sobre os resultados dos 20 anos do Programa de Recebimento de Embalagens Vazias de Agrotóxicos. O presidente da Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra), Benício Werner, apresentou os resultados da safra 2019/2020. O último levantamento apontou que o tabaco é cultivado em 544 municípios e a safra 2019/2020 rendeu quase R$ 6 bilhões de receita às 146.430 famílias produtoras. Segundo os dados da Afubra, no Rio Grande do Sul são 73.490 produtores, 126.875 hectares plantados e uma safra de 243.414 toneladas. Em Santa Catarina, 43.780 produtores plantaram 88.984 hectares, resultando em 215.426 toneladas produzidas. Já no Paraná, 29.160 produtores plantaram 74.538 hectares de tabaco e colheram 174.181 toneladas. “O Paraná teve um grande aumento no tipo Virgínia: foram colhidas mais de 155 mil toneladas na safra 2019/2020, contra 111 mil na safra anterior”, destacou Werner. A reforma tributária também foi tema do encontro. Carlos Galant, executivo da Abifumo, repassou informações sobre o status da proposta e como ela poderia impactar o setor de tabaco no país. Segundo ele, o prazo para a apresentação do relatório para a comissão mista no Congresso será até 10 de dezembro, o que deixa dúvida se haverá tempo hábil para a votação ainda neste ano. “Além disso, enquanto o setor de serviços defende a desoneração da folha de pagamento e apoia uma reforma tributária, o setor da indústria defende a redução da cumulatividade de impostos, com a simplificação dos tributos, sem aumento de carga tributária a nenhum setor. Já o setor do agro, defende a desoneração da cesta básica e do produtor pessoa física vir a se tornar contribuinte direto do Imposto sobre Bens e Serviços [IBS], além de alíquota zero para insumos e sistema cooperativo. Só nestes posicionamentos, percebemos que os setores estão se organizando e ainda há dúvida de para qual lado a balança penderá. Mas o sentimento em Brasília é de que dificilmente o governo vai abrir mão de qualquer tipo de receita tributária, pelo contrário, o sentimento é de que alguns setores serão mais penalizados em detrimento de outros e essa é a grande dúvida que paira sobre o setor do tabaco. Nós sabemos que, para o nosso setor, é vital que não tenhamos aumento de carga tributária”, comentou Galant.

Sobre o assunto, o grupo concordou que se faz necessária a comunicação da posição da cadeia produtiva do tabaco em relação à reforma tributária à ministra Teresa Cristina, solicitando que leve o assunto ao plenário do Conselho Nacional de Política Agrícola [CNPA], bem como à Frente Parlamentar da Agropecuária e à Frente Parlamentar Mista da Agricultura Familiar.
Lauro Anhezini Junior, gerente Senior de Relações Governamentais da Souza Cruz, repassou um panorama do mercado ilegal de cigarros no Brasil que, segundo Ibope, alcançou 57% do mercado. “Deste percentual, 49% são oriundos do Paraguai e 6% são de empresas que não cumprem o preço mínimo ou que são devedoras contumazes”, destacou. “Esta é uma preocupação constante do setor”, acrescentou Romeu Schneider, presidente da Câmara Setorial. Por conta da pandemia do novo Coronavírus (Covid-19), a Secretaria da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco, da Organização Mundial da Saúde, transferiu a 9ª Conferência das Partes que ocorreria a partir de 09 de novembro, em Haia, na Holanda. Além da COP9 também seria realizada a Segunda Reunião das Partes do Protocolo para Eliminar o Comércio Ilícito de Produtos do Tabaco (MOP2). Com o adiamento, a conferência será realizada entre os dias 08 e 13 de novembro de 2021 e a MOP2 ocorrerá entre 15 e 17 de novembro de 2021. Sobre o tema, o vice-presidente da Afubra, Marco Dornelles, comentou sobre a importância de antecipar a agenda de mobilizações para que o setor possa ser ouvido no encontro. O assunto deve voltar a ser tema dos encontros da Câmara em 2021. O calendário de reuniões ficou previamente definido pelo grupo para 15 de abril, 12 de agosto e 26 de outubro, podendo a agenda ser alterada. Contato com a imprensa: MSLGROUP Andreoli Cibele Gandolpho - cibele.gandolpho@mslgroup.com - (11) 3169-9331 / (11) 96477-2701 Eliana Stülp Kroth - eliana.stulp@mslgroup.com - (51) 3713-1777 / (51) 9708-5539 Thais Thomaz - thais.thomaz@mslgroup.com - (11) 3169-9373 www.mslgroupandreoli.com.br

28 | OUT . 2020

Releases

Evento mundial homenageia produtores de tabaco

28 de outubro, Dia do Produtor de Tabaco – A pandemia impediu a realização do habitual evento em comemoração ao dia do produtor de tabaco, mas a Associação Internacional dos Produtores de Tabaco (International Tobacco Growers’ Association – ITGA), realizou nesta quarta-feira, 28, evento online alusivo aos produtores com a participação de diversos porta-vozes ligados à cadeia produtiva. Com o tema “juntos crescemos mais”, a homenagem aos produtores contou com vozes de todos os continentes. Produtores da Colômbia, Argentina, EUA, Bulgária, Malaui, Moçambique, entre outros, falaram sobre a importância do cultivo do tabaco para suas vidas. Antonio Abrunhosa, chefe executivo da ITGA, saudou os produtores e avaliou o impacto da pandemia. “Vivemos em um mundo globalizado e o tabaco tem um papel importante, especialmente em um ano com tantos desafios. A pandemia demonstrou que nada é garantido. Milhares de vidas e empregos foram perdidos e o tabaco mostrou-se mais resiliente que outras culturas, mantendo os empregos e a renda dos nossos produtores e mostrando, uma vez mais, a relevância crucial para a subsistência e prosperidade de nossas famílias”, disse Abrunhosa. O presidente do SindiTabaco e diretor-presidente do Instituto Crescer Legal, Iro Schünke, participou da programação com um depoimento em vídeo. Ele cumprimentou à ITGA pela realização do evento e à Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra), entidade que representa os produtores de tabaco no Brasil. “Nada mais justo que prestar uma homenagem deste porte aos produtores de tabaco do mundo. O Brasil é o segundo maior produtor, é o maior exportador há 27 anos e tem no produtor de tabaco a sua primeira base, um forte elo desta grande cadeia produtiva. São eles que, com as práticas culturais bem aplicadas, fazem com que o Brasil seja referência em produção sustentável, apresentando aos clientes internacionais um produto de qualidade e integridade. Quero, como filho de produtor de tabaco, deixar um abraço muito sincero e carinhoso a todos os produtores de tabaco do mundo e dizer que podem se sentir honrados em fazer parte desta importante cadeia produtiva que tanto contribui para o desenvolvimento das comunidades onde está presente. Juntos, produtores e empresas, vamos continuar na defesa dessa importante cadeia produtiva”, disse Schünke em seu depoimento. Do Brasil também participou o presidente da Afubra, Benício Werner. Último levantamento da entidade apontou que o tabaco é cultivado em 544 municípios e a safra 2019/2020 rendeu quase R$ 6 bilhões de receita às 146.430 famílias brasileiras. DIA DO PRODUTOR DE TABACO – No Brasil, a data foi instituída pelas Assembleias Legislativas do Rio Grande do Sul (Lei 14.208, de março/2013, de autoria do deputado estadual Heitor Schuch); de Santa Catarina (Lei 16.114, de setembro/2013, de autoria do deputado estadual Mauro de Nadal); e do Paraná (Lei 17.729, de 2013, de autoria do deputado estadual Anibelli Neto. Fotos: Divulgação Contato com a imprensa: MSLGROUP Andreoli Cibele Gandolpho - cibele.gandolpho@mslgroup.com - (11) 3169-9331 / (11) 96477-2701 Eliana Stülp Kroth - eliana.stulp@mslgroup.com - (51) 3713-1777 / (51) 9708-5539 Thais Thomaz - thais.thomaz@mslgroup.com - (11) 3169-9373 www.mslgroupandreoli.com.br

22 | OUT . 2020

Releases

Duas décadas de referência em logística reversa

Outubro 2020 – O tabaco está entre as culturas agrícolas que menos utiliza agrotóxicos de acordo com diversas pesquisas realizadas nos últimos anos. Ainda assim, ao longo das últimas décadas, foi precursor na logística reversa das embalagens vazias de agrotóxicos. Em 23 de outubro de 2020 o setor do tabaco chega à marca de 20 anos de sucesso em termos de logística reversa de resíduos sólidos. Até o momento foram mais de 17 milhões de embalagens recolhidas. “Os números podem levar à falsa interpretação de que a cadeia produtiva do tabaco utiliza uma carga elevada de agrotóxicos. Mas pesquisas realizadas ao longo da última década têm demonstrado exatamente o oposto: o tabaco está entre as culturas que menos utiliza agrotóxicos e, ao mesmo tempo, um dos setores mais comprometidos na correta destinação dos recipientes tríplice lavados”, avalia o presidente do SindiTabaco, Iro Schünke. O primeiro recolhimento aconteceu no ano 2000, na localidade de Rio Pardinho, interior de Santa Cruz do Sul (RS). De lá para cá, 411 municípios do Rio Grande do Sul e Santa Catarina são atendidos pela coleta itinerante que percorre cerca de 1,8 mil pontos de recebimento no meio rural nos dois Estados. O programa beneficia um universo de 117 mil produtores de tabaco gaúchos e catarinenses, com comodidade e segurança na devolução dos recipientes tríplice lavados em pontos de coleta localizados próximos de suas propriedades. Desde 2015, o programa itinerante apresentou uma novidade que está facilitando a coleta de dados e tornando mais fácil a gestão dos roteiros percorridos. Os registros que antes eram feitos de forma manual, passaram a ser feitos por um aplicativo. O novo formato de gestão dos dados do programa contempla o uso de dispositivos móveis (tablets) para o lançamento da quantidade de embalagens entregues por produtor. No momento da entrega, o cadastro do produtor é atualizado e este recebe o comprovante de entrega das embalagens, com o registro da data e da quantidade de recipientes entregues. "Com o software, temos um programa ainda mais eficaz em termos de gestão, uma vez que o processo de geração de relatórios ficou facilitado, mais ágil e ainda permite o acompanhamento da coleta em tempo real. Além do cumprimento da legislação, foi mais um investimento e um avanço dado em direção à preservação da saúde e segurança dos produtores e à proteção ambiental, objetivos prioritários do programa", afirma o coordenador Carlos Sehn. Pioneiro, o Programa de Recebimento de Embalagens Vazias de Agrotóxicos foi criado no ano 2000, antecedendo a regulamentação da legislação sobre o tema. Desenvolvido de forma itinerante pelo Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SindiTabaco) e empresas associadas, com o apoio da Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra), tem como objetivo preservar o meio ambiente  e evitar o descarte inadequado de embalagens vazias de agrotóxicos,  protegendo assim a saúde e a segurança dos produtores de tabaco e de suas famílias. Atualmente, o programa percorre dez roteiros distintos que abrangem todas as regiões produtoras de tabaco gaúchas e catarinenses. No Paraná, iniciativas semelhantes realizadas pelas centrais locais são apoiadas pelas empresas associadas ao SindiTabaco. Veja por onde anda o programa LEGISLAÇÃO – Desde 2002, o programa também tem como objetivo atender aos preceitos estabelecidos pela legislação vigente. No Brasil, desde 2002, o Artigo 53, do Decreto 4.074, determinou que "usuários de agrotóxicos e afins devem efetuar a devolução das embalagens vazias e respectivas tampas aos estabelecimentos comerciais em que foram adquiridos". A legislação também prevê responsabilidades por parte dos canais de distribuição, dos produtores, das indústrias fabricantes e do poder público. BRASIL É REFERÊNCIA – Segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias (inpEV), 94% das embalagens são recicladas, transformadas novamente em embalagem do mesmo produto ou incineradas em local apropriado. Na França, esse índice de reaproveitamento é de 75%; no Canadá e na Alemanha, de 70%, no Japão, de 50%, e nos EUA de apenas 30%. Contato com a imprensa: MSLGROUP Andreoli Cibele Gandolpho - cibele.gandolpho@mslgroup.com - (11) 3169-9331 / (11) 96477-2701 Eliana Stülp Kroth - eliana.stulp@mslgroup.com - (51) 3713-1777 / (51) 9708-5539 Thais Thomaz - thais.thomaz@mslgroup.com - (11) 3169-9373 www.mslgroupandreoli.com.br